Condutores: Cobre ou Alumínio?

Existem vários elementos da natureza considerados bons condutores de corrente elétrica e naturalmente a escolha do material na fabricação e utilização de condutores de corrente elétrica recai sobre aspectos econômicos.

Eis que no mercado temos consolidados os condutores de cobre e alumínio, mas afinal, qual deles usar?

A resposta é aquela mesma: Depende!

Sem maiores surpresas, o tipo da aplicação é determinante na escolha entre os dois materiais. O uso de condutores de alumínio sempre vem associado a situações em que peso para sustentação, logo podemos observar seu amplo uso em infraestruturas elétricas em alta tensão. Sistemas de transmissão e distribuição, por exemplo, comumente apresentam condutores de alumínio.

Os condutores de cobre, por sua vez, são largamente utilizados em instalações elétricas internas, como edifícios, indústrias, estabelecimentos comerciais. Em suma, qualquer tipo de edificação possui sua infraestrutura elétrica composta, majoritariamente, por condutores de cobre.

Quem é mais pesado?

Este é o âmbito que trás a maior vantagem do uso do alumínio. O material apresenta uma densidade de 2,70 g/cm³ enquanto o cobre possui uma densidade de 8,93 g/cm³, isto representa um peso pouco mais de 3x maior do cabo de cobre em relação ao de alumínio com ambos de mesmo comprimento e seção nominal.

Esta diferença é bastante representativa quando falamos em projeto de sustentação mecânica para condutores aéreos, logo, em aplicações que em se faz necessário o uso de condutores de grandes seções nominais, tende-se a usar os condutores de alumínio.

Quem conduz melhor corrente elétrica?

Esta característica é inferida a partir da resistividade dos respectivos materiais. O cobre possui uma resistividade de 0,0172 Ω. mm²/m, enquanto o alumínio apresenta resistividade de 0,0282 Ω. mm²/m. Estas propriedades podem não dizer muito para uma pessoa leiga que não atue no ramo, mas justamente estas informações nós dizem que o cobre é muito melhor condutor que alumínio, isto é, para uma mesma seção, o cabo de cobre possui uma capacidade de corrente maior que o cabo de mesma seção de alumínio.

Verifiquemos a norma para exemplificar!

A NBR 5410/2004, atualmente em revisão, relaciona condutores de cobre e alumínio e suas respectivas capacidade de corrente. Para condutores de seção nominal 16 mm² aplicados em eletrodutos embutidos em parede termicamente isolada (método A1) temos uma capacidade de corrente de 61 A para um condutor de cobre, e em contrapartida, o cabo de alumínio apresenta uma capacidade de corrente, nas mesmas condições e parâmetros, de 48 A. Assim, o dimensionamento dos condutores está intimamente ligado ao tipo de cabo.

Qual é mais recomendado para instalações residenciais?

Essa é fácil: Cobre, sempre. Isto porque o condutor de cobre é mais resistente frente à degradação da infraestrutura elétrica ao longo do tempo. Esta característica torna o uso do cobre, que é relativamente mais caro ao relação ao alumínio, mais atrativo, e ainda uma infraestrutura com cabeamento de alumínio demanda mais manutenção e troca de fiação para instalação segura e eficaz.

Vale chamar atenção para a conexão entre condutores de cobre e alumínio. Devia às suas propriedades elétricas distintas, é recomendável usar conectores bimetálicos quando houver essa transição de cobre-alumínio.

E era isto, os cabos de alumínio seduzem pelo seu baixo custo, no entanto existem limitações de seu uso, tanto pelas suas propriedades elétricas quanto pelas estipulações das normas vigentes sobre o tema. Segue a regra: baixa-tensão? Cobre. Alta tensão? Alumínio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *